São Paulo/SP - Rua Funchal, 418 – 34º e 35º andar
EnglishPortugueseSpanish
      Tel.: (11) 3521-7389            

Evolução da força de trabalho feminina no mercado

Cenário

A relação entre a participação da força de trabalho feminina e o desenvolvimento econômico é muito mais complexa do que muitas vezes retratada na literatura acadêmica e nos debates sobre políticas. Devido a vários fatores econômicos e sociais, como o padrão de crescimento, a escolaridade e as normas sociais, as tendências na participação da força de trabalho feminina não estão em conformidade com a taxa de participação da força de trabalho versus o crescimento econômico. Além das taxas de participação, os formuladores de políticas precisam se concentrar em melhorar o acesso das mulheres a empregos de qualidade.

Prós

A participação feminina na força de trabalho é um importante impulsionador (e resultado) do crescimento e desenvolvimento.

As mulheres participam da força de trabalho nos países em desenvolvimento por causa da pobreza e como mecanismo de enfrentamento em resposta a choques.

A participação das mulheres é resultado de vários fatores econômicos e sociais.

O acesso à educação de qualidade (além do secundário) é fundamental para melhorar os resultados do emprego para as mulheres.

Contras

Mesmo quando as disparidades de gênero nas taxas de participação são baixas, as mulheres tendem a ganhar menos que os homens e têm maior probabilidade de se envolver em empregos desprotegidos, como o trabalho doméstico.

A educação aumenta o salário de reserva e as expectativas das mulheres, mas precisa ser acompanhada pela criação de empregos.

A subnotificação é comum; portanto, os dados sobre as taxas de participação das mulheres não refletem com precisão o trabalho das mulheres.

Visão

A relação entre a participação das mulheres na força de trabalho e o desenvolvimento é complexa e reflete mudanças no padrão de crescimento econômico, escolaridade, taxas de fertilidade, normas sociais e outros fatores. No entanto, as taxas de participação na força de trabalho representam apenas uma imagem parcial do trabalho das mulheres. Mais importante é entender a qualidade do emprego das mulheres. Para obter ganhos na qualidade do emprego, as políticas devem se concentrar nas dimensões da demanda e da oferta de trabalho. A expansão do acesso ao ensino médio e superior é particularmente relevante, mas isso precisa ser acompanhado pela criação de empregos que possam ser acessados ​​pelas mulheres.

A participação das mulheres no mercado de trabalho varia muito entre os países, refletindo diferenças no crescimento econômico, normas sociais, níveis de educação, taxas de fertilidade e acesso a creches e outros serviços de apoio. A relação entre a participação da força de trabalho feminina e esses fatores é complexa.

O foco nessas questões é fundamental porque a participação da força de trabalho feminina é essencial para promover o crescimento inclusivo e alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), particularmente o ODS 5 (“Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas”). No entanto, além dos números absolutos está a preocupação muito mais importante com a natureza dos empregos em que as mulheres são capazes de se envolver.

Este artigo destaca a natureza complexa da participação da força de trabalho feminina nos países em desenvolvimento e apresenta descobertas sobre as principais tendências e fatores que impulsionam o envolvimento das mulheres no mercado de trabalho e o acesso ao emprego. Ele examina idéias específicas de diferentes países em desenvolvimento, incluindo Bangladesh, Brasil, Índia, Indonésia e Turquia. Acima de tudo, o artigo enfatiza a importância de se olhar para a qualidade do emprego e os meios para promover melhores resultados para as mulheres no mercado de trabalho.

Discussão de prós e contras

O desenvolvimento, como testemunhado durante a Revolução Industrial e, mais recentemente, no Leste e (partes do) Sudeste Asiático, envolveu duas transições relacionadas: o movimento dos trabalhadores da agricultura para a manufatura (e, mais recentemente, os serviços) e a migração de pessoas das áreas rurais para as urbanas. áreas. Essas transições foram associadas a níveis crescentes de educação, taxas decrescentes de fertilidade e mudanças em outros fatores socioeconômicos da participação da força de trabalho, com implicações específicas de gênero no mercado de trabalho.

Nesse contexto, a oferta de mão-de-obra feminina é um fator determinante e um resultado do desenvolvimento. À medida que mais mulheres entram na força de trabalho, as economias têm o potencial de crescer mais rapidamente em resposta a insumos trabalhistas mais altos. A oferta de mão-de-obra feminina aumenta a renda das famílias, o que ajuda as famílias a escapar da pobreza e aumentar o consumo de bens e serviços. Ao mesmo tempo, à medida que os países se desenvolvem, as capacidades das mulheres geralmente melhoram, enquanto as restrições sociais enfraquecem, permitindo que as mulheres se envolvam no trabalho fora de casa.

No entanto, a participação da força de trabalho é o resultado não apenas de fatores do lado da oferta, mas também da demanda por trabalho. Em particular, a natureza e a distribuição espacial do crescimento econômico e da criação de emprego ajudam a determinar se as mulheres podem ter acesso a empregos, particularmente em um contexto em que as normas sociais determinam como e onde as mulheres podem trabalhar. Como observado nos países em desenvolvimento que experimentaram um aumento na participação da força de trabalho feminina, a produção intensiva de mão de obra forneceu um canal importante para as mulheres trabalharem fora de casa, embora muitas vezes em condições difíceis de trabalho.

A relação entre fatores socioeconômicos e demográficos em evolução e como as mulheres participam do mundo do trabalho é multifacetada. Em particular, se uma mulher está trabalhando pode ser motivada, por um lado, pela pobreza (como é evidente em países de baixa renda) e, por outro, pelo aumento da escolaridade das mulheres e pelas oportunidades de trabalho que são disponibilizadas em um determinado país. economia mais moderna. Além disso, durante períodos de crise e em resposta a choques econômicos, muitas vezes as mulheres são obrigadas a aceitar empregos (normalmente informais) para facilitar o consumo das famílias. Isso ocorreu na Indonésia após a crise financeira do leste asiático de 1997-1998.

Além de analisar a participação da força de trabalho, é fundamental observar a natureza do emprego das mulheres. Em geral, quando as mulheres trabalham, elas costumam receber menos e ser empregadas em empregos de baixa produtividade.

As tendências dos países na participação do trabalho feminino são diversas

Nas últimas duas décadas, a taxa global de participação da força de trabalho feminina (faixa etária de 15 anos ou mais) diminuiu, apesar do forte crescimento nos países emergentes e em desenvolvimento, de 51,3% em 1998 para 48,5% em 2018. Embora mais de 307 milhões de mulheres tenham ingressado no mercado de trabalho nos últimos 20 anos, as mulheres ainda representam apenas 39,2% da força de trabalho global. À medida que as taxas de matrícula na educação aumentam em todo o mundo, as taxas de participação na força de trabalho caem entre os jovens em idade escolar (uma tendência positiva para homens e mulheres jovens). Assim, apesar da queda nas taxas de participação da força de trabalho feminina, a diferença de gênero diminuiu ligeiramente, de 27,5 pontos percentuais em 1998 para 26,6 pontos percentuais em 2018 (estimativas modeladas da OIT, faixa etária de 15 anos ou mais).

As projeções sugerem que as taxas de participação da força de trabalho feminina continuarão a cair na próxima década, atingindo uma baixa de 45,9% em 2030. Esse é um lembrete severo de que, a menos que as tendências sejam revertidas por meio de medidas políticas, os países terão dificuldades para melhorar os resultados para as mulheres. no mercado de trabalho.

Em um nível mais desagregado, a participação das mulheres varia consideravelmente entre os países em desenvolvimento e as economias de mercado emergentes, muito mais do que a participação dos homens. No Oriente Médio, Norte da África e Sul da Ásia, menos de 30% das mulheres com 15 anos ou mais participam da força de trabalho. No entanto, as taxas de participação aumentaram no Oriente Médio e no norte da África de 1998 a 2018, enquanto as taxas caíram no sul da Ásia. Nas três regiões, atitudes sociais conservadoras continuam a restringir as opções para as mulheres trabalharem fora de casa.

Mas mesmo em regiões onde as taxas gerais de participação da força de trabalho feminina são baixas, há uma diversidade considerável. No sul da Ásia, as taxas de participação feminina variam de menos de 30% no Paquistão e na Índia a quase 80% no Nepal. Bangladesh é um dos poucos países do sul da Ásia que experimentou um rápido aumento na participação das mulheres no emprego, devido a uma baixa condição inicial, que foi atribuída ao crescimento da indústria de roupas prontas e ao aumento da criação de animais (ligada ao acesso a microcrédito). Apesar de um nível historicamente alto de desenvolvimento humano e crescimento econômico robusto nos últimos anos, as taxas de participação da força de trabalho feminina no Sri Lanka permaneceram razoavelmente estáveis, com média de 33% entre 2003 e 2012.

As tendências nas taxas de participação da força de trabalho feminina na Índia têm sido particularmente intrigantes. As taxas de participação feminina caíram de 34,1% em 1999-2000 para 27,2% em 2011-2012. A pesquisa colocou várias razões por trás desse declínio, incluindo o aumento da matrícula escolar de meninas e mulheres jovens e a falta de oportunidades de emprego para as mulheres, para o efeito renda e medições inadequadas da participação da força de trabalho feminina [7], [8].

Embora a tendência na Índia seja considerada intrigante, não é um exemplo isolado. A Turquia também sofreu declínios devido a uma condição inicial baixa, com as taxas de participação feminina caindo de 36,1% em 1989 para 23,3% em 2005. Essa tendência de queda foi explicada pelo aumento da urbanização e da transformação estrutural: à medida que as famílias passaram das áreas rurais para as urbanas, os maridos saíram da agricultura, resultando em uma retirada das mulheres da força de trabalho (refletindo o aumento do envolvimento das mulheres em tarefas domésticas) [9]. Desde 2005, no entanto, um período de melhores condições macroeconômicas, as mulheres turcas voltaram à força de trabalho. Consequentemente, as taxas de participação aumentaram para 33,5% em 2017.

A América Latina e o Caribe experimentaram um crescimento mais forte nas taxas de participação da força de trabalho feminina do que em outras regiões, atingindo 51,5% em 2018, superior à média global. Nessa região, as taxas de participação da força de trabalho feminina no Brasil aumentaram de 54,1% em 2001 para 57,9% em 2009, enquanto as taxas no Chile aumentaram de 33,9% em 1996 para 47,8% em 2012. No Brasil, o aumento da participação das mulheres foi impulsionado por fatores de atração e estímulo, refletindo parcialmente a liberalização do comércio e as transições setoriais que a acompanham.

Em contraste com o sul da Ásia, no leste e sudeste da Ásia a participação das mulheres no mercado de trabalho tem sido historicamente maior. À medida que os países dessas regiões se desenvolviam rapidamente no século XX, os trabalhadores, incluindo mulheres, passaram da agricultura para a manufatura. No geral, as melhorias no nível educacional e a expansão na manufatura orientada para a exportação levaram as mulheres a empregos recém-criados nessas economias. A Indonésia, com uma taxa mais baixa de participação da força de trabalho feminina do que outros países do Sudeste Asiático, é freqüentemente citada como um exemplo do efeito do trabalhador adicionado. Após a crise financeira do leste asiático de 1997 a 1998, um grande número de trabalhadores do sexo masculino perdeu o emprego no setor formal. Para suavizar o consumo das famílias, as mulheres aumentaram sua oferta de trabalho, embora principalmente por meio de empregos no setor informal e na agricultura. Consequentemente, a taxa de participação da força de trabalho feminina na Indonésia aumentou de 49,9% em 1997 para 51,2% em 1999.

Evidência empírica: fatores e determinantes

Dada a natureza complexa da participação da força de trabalho feminina nos países em desenvolvimento, é importante analisar como os fatores socioeconômicos afetam a decisão e a capacidade das mulheres de se envolverem no mercado de trabalho. As principais dimensões, muitas vezes sobrepostas, consideradas na literatura incluem: nível de desenvolvimento econômico e natureza do crescimento; escolaridade; renda familiar; dimensões sociais, como normas sociais que influenciam o casamento, a fertilidade e o papel da mulher dentro e fora da casa; e ambiente institucional (leis, proteção, benefícios).

A relação em forma entre desenvolvimento e participação da força de trabalho feminina é mais que um fato estilizado?

Uma hipótese muito discutida na literatura, explorada em um grande número de estudos, propõe que exista uma relação entre desenvolvimento econômico e participação das mulheres na força de trabalho. O argumento estilizado é que, quando um país é pobre, as mulheres trabalham por necessidade, principalmente na agricultura de subsistência ou na produção doméstica. À medida que o país se desenvolve, a atividade econômica muda da agricultura para a indústria, o que beneficia mais os homens do que as mulheres. Nos estágios mais altos do desenvolvimento econômico, os níveis de educação aumentam, as taxas de fertilidade caem e os estigmas sociais enfraquecem, permitindo que as mulheres aproveitem os novos empregos emergentes no setor de serviços, mais familiares e acessíveis. No nível familiar, essas mudanças estruturais podem ser descritas no contexto do modelo neoclássico de oferta de trabalho: à medida que o salário de um cônjuge aumenta, há um efeito negativo de renda na oferta de trabalho das mulheres. Uma vez que os salários das mulheres começam a aumentar, no entanto, o efeito de substituição os induzirá a aumentar sua oferta de trabalho.

Os dados de um grande conjunto de 172 países para 2018 mostram evidências (fracas) da relação com o crescimento econômico e a taxa de participação da força de trabalho feminina. Alguns discrepantes, incluindo Índia e Turquia (discutidos acima), têm taxas de participação muito mais baixas do que a maioria dos países com o mesmo nível de renda. Por outro lado, outros países, como Brasil, China e Federação Russa, apresentam taxas de participação na força de trabalho feminina mais altas do que a média do seu nível de desenvolvimento econômico.

Entre em contato pelo Whatsapp
Enviar